Sobre o Sindicato

Desde os mais remotos tempos, a sociedade é dividida entre empregadores e trabalhadores. Embora estejam avançando, as relações entre patrão e empregado ainda são cercadas, no Brasil, por insegurança, violação de direitos, desrespeito e exploração. A jornada de trabalho, os baixos salários, as pressões por crescente produtividade, a falta de atenção à saúde do trabalhador, a dificuldade de acesso à educação, principalmente em nível universitário, a falta de diálogo com as empresas, são alguns problemas que os trabalhadores enfrentam. No Brasil, especialmente a partir do final dos anos setenta, o movimento sindical tem se mostrado capaz de enfrentar esses problemas.

Organizando os trabalhadores, os sindicatos formaram a maior central sindical da América Latina, a CUT - Central Única dos Trabalhadores e construíram uma história de resistência que mostra resultados efetivos de melhoria de vida do povo trabalhador. Com greves e grandes movimentos os sindicatos tem se mostrado combativos nos momentos em que os direitos dos trabalhadores são ameaçados ou precisam avançar. Por isso, a filiação ao Sindicato é um ato de identificação. Significa dizer: sou trabalhador e faço parte de uma entidade que me representa, reconheço o meu papel na sociedade e estou disposto a mudar a lógica que o capital impõe aos trabalhadores.

O Sindicato dos Metalúrgicos de Erechim sempre esteve presente nessa luta e sempre trabalhou no sentido de resgatar a cidadania do trabalhador. Com ações de cultura, de lazer, de esporte, de educação, de formação profissional, de apoio à alternativas de trabalho e renda, vem extrapolando o papel tradicional de uma entidade sindical, sem deixar de atuar nas demais grandes questões que afetam o trabalhador, como melhoria no local de trabalho, luta por melhores salários, garantia dos direitos dos trabalhadores, saúde do trabalhador, juventude, mulheres e tudo que diz respeito à vida do trabalhador na fábrica.